Construtoras inovam com uso da tecnologia

Construtoras têm investido em automação residencial para oferecerem mais inovação em seus projetos

Nos últimos anos, o interesse dos brasileiros por equipamentos e casas inteligentes cresceu bastante. A ideia é deixar a vida mais prática, principalmente enquanto está passando mais tempo em seu lar.

Um estudo da AURESIDE (Associação Brasileira de Automação Residencial e Predial) aponta que até 2023 deve crescer em 20% o uso de dispositivos IoT (Internet das Coisas).

Este aumento, inicialmente focado na economia de energia, chamou a atenção das construtoras. Elas encontraram um público diferenciado, com foco em residências mais modernas e práticas, menos fios visíveis e a facilidade de controlar tudo com a ponta dos dedos.

Apesar de ser uma novidade (não tão recente assim), a tendência faz parte da Indústria 4.0, como é chamada a quarta revolução industrial. A Internet das Coisas, que envolve o controle de objetos de uma residência com o uso de um aparelho celular conectado à internet ou bluetooth, é uma das modernidades citadas.

A verdade é que a IoT pode ser útil desde o desenvolvimento do projeto até a entrega da casa ou apartamento e até pouco tempo, residências automatizadas eram exclusividade dos imóveis de alto padrão.

No entanto, uma pesquisa realizada pela Hibou mostrou que, hoje, apenas 7,2% das casas contam com automação, mas, para 2026, é esperado que este número suba para 36,5%.

Mudança acontece de forma gradual

Qualquer modernidade assusta quando é apresentada. A questão piora quando os preços são mais elevados, pois, é uma tendência natural das pessoas olharem com certa desconfiança.

Essa situação não diferiu com a automação residencial, ainda mais no modelo tradicional. Por isso, as construtoras traziam a inovação apenas nos imóveis de alto padrão, focado no cliente de elevado poder aquisitivo e padrão de vida.

Para Luiz Cláudio Mazzini Gomes, diretor do Sinduscom-ES (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Espírito Santo), a resistência em testar os sistemas automatizados está em pensar se tratar de algo difícil. Quando é ofertado pelas construtoras, o futuro morador se recusa a testar a novidade, com medo de não conseguir utilizar.

Assim, o melhor é começar aos poucos, com tecnologias que fazem parte do dia a dia, como os assistentes de voz. Inclusive, na automação da Houseasy é possível integrar o assistente do Google ou a Alexa para auxiliar em coisas simples, como ligar o home theater.

As pessoas passam mais tempo em casa

A pandemia de Covid-19, iniciada em março de 2020, pode ter influenciado esta mudança de foco das construtoras. A explicação é bastante simples, as pessoas estão passando mais tempo em casa.

Se antes havia o interesse nos chamados “imóveis dormitórios”, pequenos apartamentos, perto do trabalho, usados apenas após o expediente, agora as pessoas querem casas maiores.

A residência passou a ser o local em que permanecem mais tempo, então, precisa contar com um escritório e outras facilidades para os moradores. Mesmo nos apartamentos, já existe o interesse em um ambiente prático, no qual seja possível fazer tudo sem deixar o lar.

Para 2021, há a previsão de crescimento de 14% no número de residências conectadas ao nível mundial. No Brasil, é esperado um aumento de 21%, já previsto anteriormente em pesquisas da AURESIDE.

O que seria uma casa do futuro

Casas ou imóveis do futuro são sustentáveis, acessíveis e tecnológicos. Aliam o estilo de vida do morador (como visto acima, passa mais tempo em casa) com a inovação.

Como as pessoas mudaram o foco sobre suas residências e desejam mais qualidade de vida, as construtoras precisaram se adaptar. Muitas tecnologias eram encontradas apenas nos imóveis de alto padrão, mas, agora, precisam estar disponíveis para quem quiser e estiver disposto a experimentar.

Assim, as construtoras enxergaram a oportunidade de entregar empreendimentos que promovam qualidade de vida, com preços acessíveis e modernidades. Em uma casa do futuro é possível encontrar:

Espaço para o escritório

O escritório virou um pré-requisito para quem está trabalhando direto de casa. A ideia é um espaço com “cara de home office”, bom isolamento acústico e iluminação de qualidade.

Tecnologia com foco no conforto

São pequenas coisas no dia a dia do morador, como aquecimento do piso nos banheiros, irrigação automática, desembaçador de espelhos e toalheiro térmico.

Abertura de cortinas com comando eletrônico

Parte dos recursos de automação, abrir e fechar cortinas sem precisar sair da cama, com alguns cliques do celular, já é uma realidade.

Acionamento automático de ar-condicionado

Cada ambiente da casa com a temperatura ideal. O ar-condicionado pode ser controlado pelo celular ou tablet.

Programação de acendimento de luzes

Focado também na sustentabilidade e economia de energia, as residências do futuro já são construídas com sensores para a iluminação. Assim, as luzes acendem (ou apagam) de acordo com a presença de alguém no ambiente.

Comodidades nas áreas comuns

No caso dos condomínios, as construtoras pensaram na comodidade nas áreas comuns. Recursos para recebimento de delivery, climatizados, para o alimento se manter na temperatura ideal, até a retirada pelo morador, já são uma realidade. O Wi-Fi e as tomadas USB são outros exemplos, por enquanto, vistos nos imóveis de luxo.

Construtoras que aderiram à automação

A MRV, a HUPI, a Tecverde e a TMA foram quatro empresas que decidiram se aventurar e trazer mais inovação em seus projetos. Rodrigo Resende, diretor de novos negócios da MRV, comentou: “entendemos que a relação das pessoas com o lar está em constante transformação e esse movimento se intensificou ainda mais durante a pandemia. A inovação é um de nossos pilares e buscamos constantemente por soluções e tecnologias que possibilitem ao cliente uma experiência única em seu lar.”

Em Vitória, a TMA Construtora inovou em seu edifício de alto padrão, o M089, construído no final de 2020, em homenagem ao músico Maurício de Oliveira.

Para Alexsander Tuma, diretor administrativo da empresa, o “objetivo é oferecer mais qualidade de vida para os futuros moradores. Por esse motivo, investimos em inovação tecnológica de ponta como a automação residencial para o controle de todos os equipamentos eletrônicos do apartamento.”

Automação residencial e a valorização dos imóveis

Uma das vantagens da automação residencial é valorizar o imóvel. O resultado observado é: o comprador ou inquilino enxergar o valor agregado e se interessar em investir mais neste local.

Segundo a AURESIDE, “existe um potencial atual para o fornecimento de equipamentos para 1,8 milhão de residências. Estima-se que cerca de 300 mil residências no Brasil já possuam equipamentos de automação residencial.”

Significa que ainda existe um mercado a ser explorado, com interesse em aderir à tecnologia, conforme a pesquisa da Hibou. Lígia Mello, responsável pelo estudo, ressaltou: “a casa do futuro reúne a comodidade de uma casa aconchegante e sustentável com as tendências tecnológicas que, em breve, farão parte da maioria dos lares do Brasil.”

No caso das construtoras, também é possível atingir os investidores, pessoas interessadas em ter um retorno na compra e aluguel de casas e apartamentos. Eles procuram pelo que há de mais moderno e querem um retorno sobre o valor investido, uma garantia de valorização. E a automação pode contribuir com isso.

Como você pode ver, as construtoras já perceberam o quanto a automação residencial é interessante para a entrega de empreendimentos com maior qualidade de vida.

De qualquer forma, mesmo uma casa mais antiga pode experimentar a modernidade. Vem com a Houseasy descobrir todos os benefícios de automatizar o seu lar.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Leia Também

Veja também